Eficácia dos programas de cessação do tabagismo

Num artigo publicado o mês passado na New England Journal of Medicine (NEJM), investigadores norte-americanos apresentaram os resultados de um estudo controlado e aleatorizado dedicado a avaliar o impacto de incentivos financeiros a um programa pragmático de cessação de tabagismo envolvendo mais de 6 mil voluntários. Esta revisão do artigo A Pragmatic Trial of E-Cigarettes, Incentives, and Drugs for Smoking Cessation foi realizada pelo site Pneumoblog, da Sociedade Brasileira de pneumologia.

Os autores avaliaram 6.006 fumadores, entre trabalhadores de 54 empresas dos EUA e as suas esposas, alocados de forma aleatorizada para cinco diferentes intervenções, conforme o método de cessação do tabagismo a ser adotado:

  • Tratamento farmacológico gratuito (terapia de reposição de nicotina, ou vareniclina, ou bupropiona, com possibilidade de uso de cigarro eletrónico em caso de falha.
  • Cigarro eletrónico fornecido gratuitamente.
  • Tratamento farmacológico gratuito acrescido de um incentivo financeiro de US$ 600, no caso de atingirem abstinência.
  • Tratamento farmacológico gratuito e resgate de um investimento pessoal de US$ 600, no caso de atingirem abstinência.
  • Programa de cuidados habituais, que inclui acesso a informações sobre os benefícios da cessação do tabagismo para a saúde, estratégias e dicas para parar de fumar via SMS.

Todos os voluntários foram estimulados a aceder um portal online com um “pacote” comum de orientações gerais sobre benefícios da cessação do tabagismo, além de informações específicas sobre seu grupo de intervenção, data determinada para cessar o tabagismo, instruções de como realizar a coleta de material (sangue e urina) para avaliação de biomarcadores do uso do tabaco e, quando aplicável, orientações de como proceder ao resgate dos incentivos financeiros.

Do total de colaboradores selecionados, 1.191 (19,8%) acederam efetivamente o portal. Estes foram classificados como os mais colaborantes (“engaged cohort”) e avaliados em uma análise secundária.

Resultados

Os autores observaram que a presença de incentivos financeiros junto com o fornecimento de tratamento medicamentoso gratuito pode triplicar a efetividade da intervenção terapêutica de cessação do tabagismo. A possibilidade de resgate de um depósito prévio foi a medida mais eficaz do estudo, do ponto de vista do desfecho de abstinência tabágica, como mostra o gráfico.

No geral, a adesão ao “tratamento padrão” foi baixa, o que se mostra pela pequena porcentagem de “colaboradores” e pelo baixo envio de amostras para medida de biomarcadores. Os resultados evidenciam, ainda, que o fornecimento de tratamento farmacológico não conferiu um benefício estatisticamente significativo comparativamente ao “controle”.

O cigarro eletrónico foi mais usado entre o grupo já designado a consumi-lo, ainda que o produto tenha sido oferecido aos participantes da assistência gratuita à cessação.

O fornecimento de tratamento farmacológico, neste estudo, não conferiu um benefício estatisticamente significativo comparado ao “controle”, o que é concordante com o resultado de alguns outros estudos pragmáticos dedicados a avaliar o uso não supervisionado do tratamento farmacológico para cessação do tabagismo.

Apesar dos resultados modestos, esse trabalho apresenta alguns aspectos relevantes, como a grande casuística e seu desenvolvimento multicêntrico. A “prova de conceito” de que, mesmo num cenário sub ótimo ─ do fornecimento de tratamento de cessação de tabagismo sem um acompanhamento estruturado, especializado e individualizado ─ há um nítido benefício da adoção de incentivos financeiros à cessação do tabagismo, pode servir de fundamento e referência para a implantação de programas de bem-estar nos locais de trabalho.